Brasil, com poucas mulheres no poder, está em situação ruim no mundo


Cidadania

Brasil, com poucas mulheres no poder, está em situação ruim no mundo

Mulheres só ocupam 2 ministérios no país, que tem a 154º posição em um ranking de 195 nações, atrás do Afeganistão (151º) e Paquistão (136º)

9 de março de 2021

Mulheres estão em 66% dos cargos de governo da Espanha, o primeiro em presença feminina no poder (Pixabay / Carrie Z)

Compartilhe essa notícia:


Pedro Mezzonato

Pedro Mezzonato

 

No embalo do Dia Internacional da Mulher, o site Visual Capitalist – famoso por suas artes criativas – produziu um infográfico muito interessante sobre a participação das mulheres no cenário de poder político.

Apesar de não surpreender, o Brasil ocupa a vergonhosa 154º posição em um ranking de 195 países, atrás de Afeganistão (151º), Paquistão (136º), Índia (134º) e Rússia (131º), conhecidos por figurarem sempre em listas de nações mais misóginas do mundo.

Clique aqui e veja o infográfico do site Visual Capitalist em tamanho grande.

Atualmente no Brasil, de 22 pastas ministeriais, há apenas duas mulheres ocupando cargos: Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos).

Mulheres ocupam 66,7% dos cargos do governo na Espanha

Os países que apresentam as maiores porcentagens de mulheres no poder são: Espanha (66,7%), Finlândia (61,1%), Nicarágua (58,8%), Colômbia (57,9%) e Áustria (57,1%). No lado negativo, há nove países nesta lista que tem 0% de mulheres ocupando cargos em seus governos federais, entre eles Arábia Saudita e Tailândia.

Dos 195 países, apenas 24 têm uma mulher como chefe de Estado e somente 14 com pelo menos 50% de mulheres em posições de ministério nos governos federais.

Finalizo com uma famosa frase de Michelle Obama: “Nenhum país pode realmente florescer quando sufoca o potencial das mulheres e se priva das contribuições de metade dos cidadãos”.

Para mais detalhes, aqui vai o link da matéria.


LEIA TAMBÉM:

Prefeitura combate assédio no transporte público

Cassinos: legalização é prioridade no Congresso

A Noite tem venda marcada para 13/4 por R$ 98 milhões


/