Turismo

Brasil aumenta a atração de turistas paraguaios

O Paraguai é o quarto emissor de turistas para o Brasil. Saiba para onde eles vão, quanto gastam e os motivos do aumento dos turistas paraguaios por aqui

6 de fevereiro de 2019
Ponte da Amizade, sobre o Rio Paraná: ligação entre Brasil e Paraguai (Deposit Photos/mnunes)

Compartilhe essa notícia em sua rede social:

Os argentinos representam o maior fluxo de turistas estrangeiros para o Brasil. No entanto, estão longe de ser os únicos hermanos a esquentar nossa indústria do turismo. O Chile é o terceiro país que mais manda turistas para o Brasil, atrás dos Estados Unidos. Logo em seguida, em quarto lugar, vêm os turistas paraguaios.

Os turistas paraguaios gastam, em média, 57 dólares por dia quando estão no Brasil, e um dos destinos preferidos é o Rio de Janeiro. Os dados são da equipe de Inteligência Competitiva e Mercadológica do Turismo da Embratur (Instituto Brasileiro do Turismo).

A presença maior de argentinos e chilenos pode ser explicada pelo fato de serem os dois países sulamericanos com poder aquisitivo mais elevado. Mas o que explica a presença de tantos turistas paraguaios, ao ponto de representarem 5,1% do turismo receptivo brasileiro? São três os motivos, segundo a equipe da Embratur.

 


LEIA TAMBÉM:

Simpatia, hotéis e gastronomia atraem estrangeiros ao Brasil

Roberto Faria: “Turismo doméstico deve ser prioridade para o Rio”

Legalização do jogo no Brasil: por um cassino no coração da Cidade Maravilhosa


 

Para o Instituto, a demanda dos turistas paraguaios pelo Brasil aumentou devido ao encarecimento relativo dos produtos concorrentes (Chile e Argentina). Em segundo lugar, por causa da percepção de que o Brasil possui preços atrativos. Por último, a forte presença da comunidade brasileira residente no Paraguai tem contribuído para a criação de demanda e curiosidade.

Os turistas paraguaios possuem tendência por viagens econômicas e de curta duração. Os destinos mais visitados por eles são o Balneário Camboriú (SC), Florianópolis, Rio, Foz do Iguaçu (PR) e São Paulo.

À procura do mar

A motivação pelo turismo de lazer lidera na escolha dos turistas paraguaios. Os destinos preferidos são os ensolarados e praianos. O Paraguai e a Bolívia são os dois únicos países latino-americanos sem mar.

Em seguida, no interesse dos paraguaios, aparecem o ecoturismo e a cultura. Em outubro de 2018, a ampliação do mercado de turismo entre Brasil e Paraguai esteve na pauta da Fitpar (Feira Internacional de Turismo). Mais informações e detalhes sobre turistas paraguaios podem ser encontrados em trade.visitbrasil.com.

Conheça um pouco mais do Paraguai

Bandeira do Paraguai
Bandeira do Paraguai

A República do Paraguai tem 406.752 quilômetros quadrados, quase dez vezes a área do Estado do Rio de Janeiro. Mas a população é bem menor: menos de 7 milhões de habitantes. Um terço está na região metropolitana de Assunção, a capital.

A língua nativa, o guarani, ainda é influente e oficial, assim como o espanhol. É um país de produção agropecuária, tendo o Rio Paraguai como importante rota comercial de transporte. Os brasileiros são uma parte importante da população na fronteira, os chamados “brasiguaios”, um motivo de preocupação constante do país vizinho.

O Paraguai libertou-se da Espanha em 1811 e foi governado por uma série de ditadores isolacionistas. O desenvolvimento foi muito prejudicado pela Guerra do Paraguai (1864–1870), contra Brasil e Argentina. Metade da população morreu por conta da guerra e de doenças. Ainda perderam 140 mil quilômetros quadrados para os dois vizinhos.

O Paraguai teve mais governos autoritários do que o Brasil. Alfredo Stroessner liderou a mais longa ditadura militar da América do Sul, de 1954 a 1989. As eleições livres só voltaram em 1993, quatro anos após as do Brasil. Um ano depois, o Paraguai se juntou a Argentina, Brasil e Uruguai para fundar o Mercosul.

Na última década, o Paraguai experimentou um rápido crescimento econômico. Em 2010, foram 14,5%, a maior expansão da América Latina e a terceira mais rápida do mundo, depois de Qatar e Singapura. Em 2011, o crescimento desacelerou para 6,4%, ainda superior à média global. A desigualdade, no entanto, ainda é grande, embora menor do que a brasileira.

Compartilhe essa notícia em sua rede social: