Bolsonaro promete, mas edifício A Noite não é vendido | Diário do Porto

Imóveis

Bolsonaro promete, mas edifício A Noite não é vendido

Edifício A Noite seria vendido em agosto ou setembro passados, segundo presidente da República. Passados 6 meses da promessa, edital de venda ainda não saiu

20 de novembro de 2020
O edifício A Noite foi o mais alto da América Latina, quando inaugurado em 1929 (foto: Riotur)

Compartilhe essa notícia:


O presidente Jair Bolsonaro disse, em junho, que o Governo Federal estava pronto para vender o edifício A Noite, prédio histórico no coração do Porto Maravilha. Segundo sua previsão, o leilão deveria ter ocorrido em agosto ou setembro. Passados 6 meses, até agora não houve a publicação do edital de venda e a SPU (Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União)  informou ao DIÁRIO DO PORTO que “ainda estão sendo finalizados os procedimentos administrativos”.

Apesar desse atraso, a SPU vem mantendo um agendamento para visitas de interessados na compra do prédio, cuja venda é um importante fator para consolidar a revitalização da Praça Mauá e de seu entorno. Desde 2012, quando deixou de ser usado por órgãos do Governo Federal, proprietário do prédio, o A Noite traz uma atmosfera de abandono, afetando comércio, escritórios e moradores em sua vizinhança.

Quando anunciou que a venda iria ocorrer, o Governo apontou que o mesmo aconteceria com outros bens públicos não utilizados, como forma de obter receita e diminuir despesas.

Desde que se fala na venda do A Noite, antes mesmo de Bolsonaro, houve várias informações sobre o valor mínimo que será exigido do comprador. Em tentativa anterior de venda do prédio, chegou-se a estimar em R$ 120 milhões. Depois a estimativa baixou para R$ 90 milhões e, recentemente, o colunista Lauro Jardim, de O Globo, disse que o Ministério da Economia havia chegado a um valor de R$ 83,5 milhões e que faria a venda ainda neste mês.

No mercado imobiliário, há apostas quanto ao futuro do prédio. A torcida maior é para que seja transformado em um empreendimento residencial, o que o tornaria uma âncora para novos lançamentos de moradias na região central da cidade.

O futuro comprador terá que elaborar um projeto de recuperação do prédio que obedeça às regras de um bem tombado pelo Iphan  (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), em 2013.

Edifício A Noite e a Rádio Nacional

Ao ser inaugurado em 1929, o edifício A Noite era o mais alto da América Latina, com 102 metros e 6 elevadores. Trata-se de uma das mais importantes construções em estilo Art Déco do país. O imóvel possui 28 mil m² e foi projetado pelo arquiteto Joseph Gire, o mesmo do Copacabana Palace. O nome oficial do prédio é o mesmo do seu arquiteto.

O edifício passou a ser conhecido popularmente por A Noite ao ser sede desse jornal, ainda no final dos anos 20 do século passado. Por muito tempo, ele foi também a casa da Rádio Nacional, a rádio de maior audiência do país no período áureo desse meio de comunicação. Por seus estúdios se apresentaram estrelas como Francisco Alves, Dalva de Oliveira, Emilinha Borba, Marlene e Cauby Peixoto. Ali foram ao ar as primeiras radionovelas, como “Em Busca da Felicidade” e “O Direito de Nascer”.


LEIA TAMBÉM:

Bom para os EUA, bom para o Brasil?

Gamboa e Santo Cristo tiveram maiores valorizações em 1 ano

Autódromo é mais uma divergência entre Paes e Crivella