BNDES apoia restauração do Museu Histórico Nacional | Diário do Porto


História

BNDES apoia restauração do Museu Histórico Nacional

BNDES contemplou 21 projetos de revitalização do patrimônio histórico nacional em todo País. Museu Histórico Nacional do Rio está entre eles

8 de novembro de 2021

Museu Histórico Nacional vai ser restaurado com recursos do BNDES (DIÁRIO DO PORTO)

Compartilhe essa notícia:


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apoiará 21 projetos de restauro e revitalização do patrimônio histórico nacional. Entre eles está o do Museu Histórico Nacional do Rio. O valor total destinado às obras será de R$ 22,9 milhões. O outro equipamento histórico do estado selecionado foi o Solar Barão do Sahy, casarão que abriga o Museu de Mangaratiba, que receberá R$ 7 milhões do projeto do banco de fomento do Governo Federal.

Eles foram pré-selecionados pelo programa “Resgatando a História”, uma iniciativa conjunta com empresas parceiras. A lista traz ações relacionadas aos patrimônios material e imaterial brasileiros, além de uma iniciativa de preservação e difusão de acervo memorial. A lista completa está disponível em: www.bndes.gov.br/resgatandoahistoria.

A captação dos pré-selecionados totaliza R$ 309,8 milhões:  R$ 185,1 milhões do BNDES, R$ 55,5 milhões das empresas parceiras do banco e R$ 69,2 milhões de outros apoiadores informados pelos proponentes. Além dos apoios aos projetos, o programa contribui para o desenvolvimento local, com geração de emprego e renda e estímulo ao turismo. Os recursos deverão ser aplicados na preservação do patrimônio e devem garantir amplo acesso público, de forma gratuita ou não.

“O Resgatando a História é uma iniciativa em conjunto do BNDES, AMBEV, EDP, MRS, Instituto Neoenergia e Instituto Cultural Vale”, explica o diretor de Crédito à Infraestrutura, Petrônio Cançado, diretor de Crédito à Infraestrutura do BNDES.


LEIA TAMBÉM:

Sebrae Rio promove debate sobre transição energética

Porto de Niterói obtém nova Licença Ambiental

Cury anuncia novo empreendimento no Porto Maravilha


Recursos virão do BNDES Fundo Cultural

Os aportes do Banco são provenientes do BNDES Fundo Cultural e serão feitos por meio de financiamentos não reembolsáveis, ou seja, sem necessidade de pagamento de volta, desde que sejam cumpridas as finalidades do projeto e as condições estabelecidas no contrato. Os valores poderão contar com incentivos fiscais da Lei Federal de Incentivo à Cultura desde que os projetos obtenham aprovação no Programa Nacional de Incentivo à Cultura (PRONAC), o que será condição prévia para a aprovação final e o desembolso dos recursos.

O processo de seleção levou em conta critérios como relevância do projeto para a preservação do patrimônio histórico, potencial de geração de emprego e renda nas localidades, ações de engajamento da população local e de educação patrimonial, melhorias da gestão e da governança das instituições mantenedoras do patrimônio e elaboração de plano de sustentabilidade financeira de longo prazo das instituições responsáveis pelo patrimônio.

O financiamento do BNDES será complementar e proporcional ao montante captado por cada projeto. Foram inscritas na chamada pública, lançada em julho, 164 propostas. Das 21 pré-selecionadas, 18 são de patrimônio material, duas de patrimônio imaterial e uma de acervo.


/