Bike Rio expande o sistema com 50 novas estações | Diário do Porto

Mobilidade

Bike Rio expande o sistema com 50 novas estações

Bike Rio expande o sistema para Grajaú, São Cristóvão e Catumbi. Em 2020, as bicicletas laranja rodaram 30 milhões de km na cidade

29 de março de 2021
73% das viagens da Bike Rio são feitas em dias de semana (Fotos: Tembici / Divulgação )


Compartilhe essa notícia:


A semana começa com uma boa notícia para as pessoas que gostam de passear ou precisam se locomover pelo Rio de Janeiro. A Bike Rio, sistema de compartilhamento de bicicletas, anunciou a instalação de 50 novas estações das laranjinhas até o segundo semestre deste ano.

O serviço conquista diariamente os cariocas, e já faz parte da rotina de quem planeja um deslocamento sustentável, e claro, evitar qualquer tipo de aglomeração. A expansão do serviço começa nos bairros da zona norte, como São Cristóvão, Andaraí, Grajaú e Catumbi. A primeira fase começou em este mês, com 14 estações nessas localidades.

De acordo com a Tembici, empresa que cuida da manutenção das bikes, os bairros são localizações importantes para complementar a mobilidade urbana na cidade, pois abrigam grande concentração de trabalhadores e residências, além de atender a integração com transporte público.

Bike Rio
As bicicletas são ótima opção para conhecer o Porto Maravilha

Modal sustentável

As laranjinhas vêm contribuindo desde 2011 com o trânsito da cidade e melhores condições de deslocamento das pessoas, levando o Rio de Janeiro para o caminho das cidades inteligentes.

“O Bike Rio registrou no último ano que 73% das viagens foram feitas em dias de semana, o que só comprova que cada vez mais as pessoas estão utilizando as bicicletas como meio de transporte. Isso, além de contribuir com o distanciamento social durante a pandemia, é um modal sustentável, econômico e prático. De abril de 2020 a janeiro de 2021, houve um aumento de mais de 500% de novos usuários”, disse Marcella Bordallo, gerente regional da Tembici.

Com uso das bicicletas em 2020, somente no Rio deixaram de ser emitidas mais de 2 mil toneladas de dióxido de carbono, resultante da queima de combustíveis por ônibus e carros. Para neutralizar cada tonelada desse gás, seria necessário o plantio de 7,14 árvores. Ao longo do ano na cidade, as bicicletas do sistema rodaram mais de 30 milhões de quilômetros, o suficiente para dar 750 voltas na Terra.

 


LEIA TAMBÉM

Turismo de Campos, Quissamã, Rio Bonito e Três Rios ganhará verbas

Globo teve queda de 77,7% no lucro, em 2020

Covid: reflexões para a terceira onda da praga