Batalhão Turístico não tem efetivo para atuar na Praça XV | Diário do Porto


Segurança

Batalhão Turístico não tem efetivo para atuar na Praça XV

Comandante do BPTUR disse ao DIÁRIO DO PORTO que não tem policiais para vigiar a Praça XV, principal marco histórico do Rio e do Brasil

22 de março de 2022

Marco histórico do Rio e do Brasil, Praça XV não tem policiamento do Batalhão Turístico (Cleomir Tavares/Diário do Rio)

Compartilhe essa notícia:


Chico Silva

Ponto histórico mais importante do Rio de Janeiro e do Brasil, a Praça XV, palco do recente assassinato do jovem Lucas Ferreira Vianna, de 27 anos, morto por um assaltante que cortou seu pescoço com uma garrafa de vidro, não é policiada pelo Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas da PM (BPTUR). A razão disso? Falta de efetivo. A informação foi confirmada ao DIÁRIO DO PORTO pelo Comandante do BPTUR, Tenente Coronel Róbson Arouche Martins Cardeal. “Gostaria muito de policiar a Praça XV, um dos lugares históricos mais importantes do Rio de Janeiro. Mas no Centro infelizmente só tenho efetivo para fazer patrulhamento na Lapa e no Boulevard Olímpico”, disse o oficial em evento sobre o trade turístico do Estado realizado pela Associação Rio Vamos Vencer.

Segundo o Tenente Coronel, o Batalhão conta com um efetivo de 180 homens que se revezam em turnos. Com isso, só é possível policiar  a orla da zona sul, os aeroportos Santos Dumont e Galeão, além da Lapa e Boulevard Olímpico. Ele conta que eventualmente ainda perde PMs para outras unidades da Polícia que pagam gratificações maiores, como as UPPs por exemplo. E são policiais com proficiência em ao menos uma língua estrangeira. De preferência o inglês.


LEIA TAMBÉM:

Confira se você economiza a ‘água invisível’ do planeta

Senado discute proteção de encostas com especialistas

Miguel Pereira inaugura em junho maior “Jurrasic Park” do mundo


Praça XV foi berço do Brasil moderno

Lucas morreu no ponto onde a nação brasileira nasceu, um lugar que deveria ser iluminado e protegido como a joia mais valiosa de nosso turismo cultural. Ele foi atacado em frente à Igreja de Nossa Senhora do Carmo, a Antiga Sé, a Capela Real onde João VI virou rei e na qual Pedro I e Leopoldina se casaram. É a Capela Imperial, que coroou os dois únicos imperadores na América do Sul e casou a Princesa Isabel com o Conde D´Eu. Foi catedral da capital durante o maior período da República.

Lucas perdeu a vida ao lado do Paço Imperial, onde Dom Pedro anunciou ao povo que não voltaria a Portugal, decidido a declarar a Independência, e onde a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. Ali está o Palácio Tiradentes, a Cadeia Velha, onde o Herói da Inconfidência ficou três anos preso antes de ser enforcado, ex-sede da Assembleia Legislativa e futuro Museu da Democracia.

E apesar de toda essa bagagem histórica e turística, a Praça XV não é protegida pelo batalhão especializado nesse esquema de policiamento. Tudo porque turistas não vão para lá à noite, pois não há atrativos no lugar onde nasceu o Brasil que conhecemos hoje. Só há escuridão, abandono e insegurança após o encerramento da operação das Barcas e do VLT, que tem uma parada ali.

Em reportagem recente, o DIÁRIO DO PORTO mostrou que o programa Centro Presente não mantém aberta a base da operação durante os fins de noite e madrugadas, horário em que aconteceu o assassinato de Lucas. A unidade é fechada às 22h. Sem o Centro Presente, o policiamento nesse período naquela área fica sob responsabilidade do 5º Batalhão de Polícia Militar da Praça da Harmonia, o que não tem sido suficiente para impedir tragédias como o assassinato do jovem Lucas.

 


/