Bancos centrais decidem sobre taxa de juro | Diário do Porto


Dinheiro no mundo

Bancos centrais decidem sobre taxa de juro

Os bancos centrais dos Estados Unidos, Brasil, Japão e Reino Unido decidirão sobre a política monetária e taxa de juro nesta semana

14 de março de 2021

Investidores estão ansiosos sobre rdução dos rendimentos dos títulos americanos (Deposit photos)

Compartilhe essa notícia:


Pedro Mezzonato

Pedro Mezzonato

 

O Federal Reserve deve manter a meta para a taxa de juro de curto prazo em 0-0,25%. Investidores estão ansiosos para saber se o banco central americano tomará alguma medida para baixar os rendimentos (yields) dos títulos, que tem causado preocupação nas última semanas. Segundo o presidente do Fed, Jerome Powell, a reabertura da economia pode impulsionar a inflação no curto prazo, mas a mesma está sob controle.

Outros números importantes da economia americana que serão publicados nesta semana incluem vendas no varejo, licenças de construção e índice de atividade industrial do Fed de Filadélfia.

O Canadá divulgará núcleos do índice de preços ao consumidor (fevereiro) e das vendas no varejo. No Brasil, o Banco Central decidirá sobre a taxa Selic.

 

Mais países definem taxa de juro

 

No Reino Unido, o Banco da Inglaterra tomará decisão sobre a taxa de juro, que não deve haver mudança, uma vez que o banco adota uma abordagem cautelosa de esperar e monitorar os efeitos do Covid e do Brexit na economia antes de tomar uma decisão sobre a taxa de juros.

Em outros cantos da Europa, os investidores estão de olho na balança comercial, percepção econômica, aumento dos salários e índice de preços ao consumidor na Zona do Euro; índice de preços ao produtor, percepção econômica e leilão dos títulos de 10 anos na Alemanha; índice de preços ao consumidor na França; e números da balança comercial da Itália, Espanha e Suíça.

Na Ásia, o Banco do Japão fará coletiva de imprensa, decidirá sobre a taxa de juro e divulgará as atas da última reunião de política monetária. Além disso, o país publicará índice de atividade terciária, produção industrial de janeiro, balança comercial e índice de preços ao consumidor.

Ainda no continente asiático, todos os olhos se voltam para números da produção industrial, vendas no varejo, taxa de desemprego e investimento em ativos fixos nos primeiros dois meses do ano na China. As previsões de mercado apontam para aumentos quase recordes tanto na atividade fabril quanto no comércio interno, após as fortes contrações observadas no mesmo período de 2020 devido à crise do COVID-19.

O banco central australiano divulgará a ata de sua última reunião de política monetária. Investidores também se concentrarão em números de emprego, vendas no varejo mensal (preliminar) e índice de preços de imóveis no quarto trimestre.

Outros destaques para a região Ásia-Pacífico incluem: PIB e conta corrente do quarto trimestre da Nova Zelândia; Preços de atacado na Índia; Balança comercial da Indonésia; e taxas de desemprego da Coréia do Sul e de Hong Kong.


LEIA TAMBÉM:

Brasil, com poucas mulheres no poder, está em situação ruim no mundo

Huawei investe em primeiro laboratório 5G do RJ

Combate ao desemprego é prioridade, aponta CNI