Baía de Guanabara sofre com derramamentos de óleo | Diário do Porto


Tragédia

Baía de Guanabara sofre com derramamentos de óleo

Em 2019, Inea foi acionado 21 vezes para ações na Baía de Guanabara. Capitania dos Portos aponta 8 derramamentos que teriam origem em embarcações

7 de janeiro de 2020

Grande fluxo de navios e plataformas seria causa de aumento de poluição na Baía de Guanabara (foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


Até meados do último mês de dezembro, a Capitania dos Portos registrou 8 casos de derramamento de poluentes na Baía de Guanabara, 3 a mais do que em 2018.

O maior número de casos em 2019 ocorreu no mês de novembro, quando foram registrados 4 derramamentos de diesel e 1 de lubrificante. Os casos estão sendo investigados pela Marinha, que apura a origem e a quantidade total dos poluentes.

A maior suspeita recai sobre os navios fundeados na Baía. Isso está de acordo com relatos de pescadores e de especialistas, que apontam o grande fluxo de embarcações como uma ameaça ambiental.

Já o Inea (Instituto Estadual do Ambiente) informa que foi acionado 21 vezes para ocorrências de vazamentos de óleo na Baía, no ano passado. Em todas as ocasiões, o órgão afirma que foram acionadas medidas de controle para evitar a propagação do material poluente no meio ambiente.

Segundo reportagem do jornal O Globo, publicada em 16/12, a Baía recebe por mês cerca de 250 navios de médio e grande porte. Entre janeiro e outubro do ano passado, 4.578 embarcações atracaram nos terminais do Porto do Rio.


LEIA TAMBÉM:

Chorume em Niterói ameaça contaminar a Baía de Guanabara

APA Guapimirim: 35 anos de luta pela Baía de Guanabara

Porto Maravilha espera grandes projetos residenciais


Além disso, dentro da Baía ou em seu entorno existem 28 estaleiros, 5 plataformas (3 em reparo e 2 fundeadas) e 15 áreas de fundeio. Outra fonte de preocupação é o abandono de embarcações. Atualmente, há 104 cascos abandonados na região.

O Movimento Baía Viva, liderado pelo ecologista Sérgio Ricardo, produziu um estudo que aponta que 44% da Baía são ocupados pela indústria do petróleo.

Segundo Sérgio Ricardo, o processo de reindustrialização impulsionado pelo pré-sal está transformando a Baía de Guanabara num estacionamento de navios, plataformas, oleodutos e rebocadores. “Os riscos de vazamentos aumentaram”, afirma Sérgio.

Em 2018, 60 mil litros de óleo vazaram de um duto, após uma tentativa de furto, de acordo com a Transpetro. Mesmo com essa justificativa, o Inea aplicou uma multa de R$ 7 milhões contra a empresa. O vazamento chegou ao Rio Estrela, que deságua na Baía de Guanabara, e afetou gravemente a área de mangue, entre Duque de Caxias e Magé, prejudicando a sobrevivência de pescadores artesanais e de catadores de caranguejo.

 


/