Artistas e esportistas do mundo todo fazem doações contra o coronavírus | Diário do Porto

Solidariedade

Artistas e esportistas do mundo todo fazem doações contra o coronavírus

U2, Cardi B, Messi, Cristiano Ronaldo e Rihanna são algumas das celebridades mundiais que mais se mobilizaram. No Brasil, Xuxa fez doação para o SUS

13 de abril de 2020


Cristiano Ronaldo, com as cores de Portugal na máscara de proteção, fez doações para hospitais (foto: Reprodução / Instagram)


Compartilhe essa notícia:


A pandemia do coronavírus está mobilizando artistas e esportistas de vários países a fazerem doações para a população carente e para os sistemas de saúde. Além disso, muitos participam de campanhas de esclarecimento sobre a Covid-19 e em apoio ao isolamento social, manifestando-se para que seus fãs fiquem em casa. No Brasil, os exemplos ainda são raros.

Na semana passada, a banda de rock U2, formada por Bono Vox, The Edge, Larry Mullen e Adam Clayton, fez uma doação de 10 milhões de euros para ajudar a Irlanda, seu país de origem, a combater o vírus. O valor doado pelo grupo, aproximadamente R$ 64 milhões, está sendo utilizado para a compra de EPI’s (equipamento de proteção individual) e itens hospitalares como respiradores.

A rapper norte-americana Cardi B, que virou meme com vídeo onde desabafava sobre seu medo do coronavírus, está doando os lucros com o remix do áudio, que ficou no Top 10 do iTunes, para ajudar no combate ao coronavírus. Além disso, realizou uma parceria com a empresa Fashion Nova em que doará US$ 1 milhão, cerca de R$ 5,1 milhões, para as pessoas afetadas diretamente pela pandemia.

Messi e Cristiano Ronaldo

O futebol europeu, conhecido pelas contratações milionárias de estrelas da bola, é o campeão em doações no mundo do esporte. A Alemanha, entretanto, deu o pontapé inicial. Todos os membros da seleção alemã doaram 2,5 milhões de euros (aproximadamente R$ 14 milhões), para ajudar a conter a pandemia no país. Além disso, os jogadores Leon Goretzka e Joshua Kimmich, do Bayern de Munique, doaram cada um, 1 milhão de euros (cerca de R$ 5,5 milhões) para o combate ao vírus e criaram a plataforma We Kick Corona para arrecadar doações. A plataforma é um fundo para ajudar organizações sociais, instituições de caridade e entidades de saúde que lutam contra a Covid-19. Também do Bayern de Munique, o atacante polonês Robert Lewandowski doou com sua esposa, Anna, 1 milhão de euros pelo We Kick Corona.

O atacante argentino Lionel Messi, do Barcelona, doou 1 milhão de euros para o Hospital Clínic, na Catalunha, e para o Hospital Provincial de Rosário, sua cidade natal. Já Cristiano Ronaldo, da Juventus, está financiando em Portugal a expansão dos hospitais Santa Maria, em Lisboa, e Santo Antônio, no Porto para atender pacientes com a Covid-19. Outra doação de peso foi a do espanhol Pep Guardiola, técnico do Manchester City, que doou 1 milhão de euros para o Colégio de Médicos de Barcelona.

No Brasil

A apresentadora Xuxa Meneghel realizou uma doação de R$ 1 milhão de reais para o SUS, o sistema público de saúde. O casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica promoveu uma ação para arrecadar R$ 1,5 milhão para ajuda a entidades que atuam em comunidades carentes. O Coletivo 324 Artes, de Caetano Veloso e Paula Lavigne, lançou uma campanha de crowdfunding para ajudar o Coletivo Papo Reto, Voz da Comunidade, Rocinha Resiste e Redes da Maré, 4 instituições que atuam em favelas do Rio. A cantora Ivete Sangalo doou 1.000 camas e 5.000 peças de roupas para uma unidade de combate ao coronavírus e acolhimento à população contaminada, em Salvador.

Rihanna

Jack Dorsey, criador e CEO do Twitter e da fintech Square Inc., anunciou uma doação de suas ações da Square Inc. no valor de US$ 1 bilhão (R$ 5,1 bilhões) para financiar ações contra o coronavírus. O valor corresponde a 28% de seu patrimônio e será transferido para a Start Small Foundation, fundação criada pelo empresário. Para garantir a transparência nas ações, foi criado um documento de acesso público. Após a pandemia, a fundação terá foco em ações visando a renda mínima universal, a saúde e educação de meninas.

Antes de sua doação bilionária, o empresário Jack Dorsey já havia se unido com a cantora Rihanna contra o crescimento de casos de violência doméstica em Los Angeles devido ao período de isolamento social da cidade. A dupla doou US$ 4,2 milhões para a Mayor’s Fund, fundação de Los Angeles, que garantirá abrigo, alimentação e aconselhamento psicológico para as vítimas de abusos, junto com seus filhos.

Rihanna, uma das recordistas em doações, através de sua Fundação Clara Lionel Foundation, já havia doado US$ 2 milhões em conjunto com a Fundação Shawn Carter, de Jay-Z, para dar apoio às pessoas à margem da sociedade, como trabalhadores sem documentos, populações encarceradas e pessoas em situação de rua em Los Angeles e Nova York. Além disso, em março, Rihanna doou, através de sua fundação, US$ 5 milhões para organizações parceiras prepararem comunidades pobres vulneráveis dos EUA, Caribe e África para se protegerem contra o coronavírus. O pai da cantora, Ronald Fenty, 66 anos, foi diagnosticado com a Covid-19, mas está fora de perigo.

 


LEIA MAIS

Veja como fazer doações e ser solidário contra o coronavírus

Governador diz que desconhece plano de Mandetta para favelas

Turismo perde R$ 14 bilhões no país e, no Rio, 5 mil empregos