Apertem os cintos: o CEO do Peixe Urbano sumiu | Diário do Porto

Empresas

Apertem os cintos: o CEO do Peixe Urbano sumiu

Primeira grande startup de e-commerce no Brasil, Peixe Urbano já demitiu os funcionários, fechou os escritórios no Rio e em SP. Agora, o comandante sumiu

5 de abril de 2021
Escritório do Peixe Urbano: startup não resistiu à pandemia (Divulgação)


Compartilhe essa notícia:


A pandemia parece ter varrido do mapa a primeira startup brasileira de e-commerce local, o Peixe Urbano, que já não andava bem das pernas. O site, muito popular no Rio de Janeiro, foi retirado do ar em fevereiro, e a imprensa agora aponta o sumiço do CEO da companhia, o chileno Nicolás Leonicio.

A dívida do Peixe Urbano, que fechou os escritórios no Rio e em São Paulo, estaria na casa dos R$ 50 milhões, principalmente com os funcionários demitidos em março e com empresas parceiras. Muitos clientes do site estão com cupons já pagos, retidos na plataforma.

Em audiência realizada na terça-feira da semana passada, dia 30 de março, no Ministério Público do Trabalho, membros da Bracks Advogados Associados, que representava o Peixe Urbano no país, disseram ser impossível falar sobre as dívidas da empresa tem com seus funcionários porque não conseguiam entrar em contato com o CEO da companhia. A informação foi do portal A Tarde, vinculado ao UOL.

 


Leia também:

Inovações fazem cartórios funcionar mesmo com a pandemia

Voos internacionais no Centro do Rio podem enterrar o RIOGaleão

Campanha #invistanorio se espalha com apoio de empresas


 

No dia primeiro de março, um dos sócios do Bracks enviou mensagem a Nicolás. Ele queria saber sobre o encerramento dos departamentos jurídico e de recursos humanos da empresa. Como a startup estava em vias de demitir praticamente todos os colaboradores, a Bracks não teria mais interlocutores dentro do Peixe Urbano.

”O contato tem como escopo esclarecer, da maneira mais transparente e leal possível, como ficará nossa parceria de anos, tendo em vista a situação desesperadora que o Peixe se encontra”, questionou o representante.

O CEO do Peixe Urbano ignorou o e-mail. A Bracks fez novo contato 12 dias depois, informando que não teria como manter a defesa da empresa e que só continuaria advogando para a mesma até o último dia 31. Ou seja, o Peixe Urbano não tem advogado, não tem comandante e, tudo indica, não parece ter dinheiro para honrar seus compromissos com os clientes.