Ano Novo problema velho. Internet continua cara no Porto | Diário do Porto


Infraestrutura

Ano Novo problema velho. Internet continua cara no Porto

Custo da internet banda larga segue inacessível para pequenos e médios empresários do Porto. Preço do serviço atrasa desenvolvinento da região

15 de janeiro de 2022

Luiza Souza e seus sócios no Da Pedra. Empresária reclama do custo da internet banda larga no Porto (foto: DIÁRIO DO PORTO)

Compartilhe essa notícia:


Chico Silva

Sai ano, entra ano e o custo da internet de banda larga no Porto continua inacessível para a maioria dos pequenos e médios empreendedores da região. E no começo de 2022 tudo segue na mesma, para indignação de comerciantes como Luiza Souza, a “musa das panelas, uma das sócias do Da Pedra, botequim recém-inaugurado na Pedra do Sal, no coração da Zona Portuária. O drama dela é o mesmo de dezenas de comerciantes e empresários do Porto Maravilha.

Pouco depois da inauguração do bar em outubro, Luiza reclamou dos preços cobrados pelas operadoras pelo serviço de banda larga na região. Tempos depois, contratou um plano de uma empresa da região chamada Net & Com, do Santo Cristo. Paga R$ 80 por 20 megas de velocidade. A Vivo, por exemplo, tem planos em outros bairros da cidade em que cobra R$ 99,99 por 300 megas de velocidade, 15 vezes mais que o oferecido pela empresa do Santo Cristo. Outra opção de internet “barata” na região é a via rádio ou por satélite, mais instável e muito comum em zonas rurais ou em áreas onde não há cabeamento para fibra óptica.

Não é o caso do Porto. A região tem a infraestrutura de internet mais moderna da cidade, instalada pela concessionária Porto Novo, empresa responsável pelas obras da Operação Urbana que repaginou o perímetro entre a Praça XV e a Rodoviária Novo Rio. Braço de telecomunicações da Porto Novo, a TCR Telecom é a responsável pela operação e comercialização do serviço de internet no Porto.

As grandes operadoras afirmam que a TCR cobra um preço muito alto pela utilização dos dutos em que passam os cabos, o que encarece o preço da banda larga para pequenos e médios empreendedores do Porto como Luiza. As operadoras, inclusive, chegaram a ir à Justiça para questionar o contrato firmado entre Prefeitura do Rio e a Porto Novo.


LEIA TAMBÉM:

Governo Federal cria grupo de estudo para licitação do Santos Dumont

Prefeitura inicia obras na orla da Ilha do Governador

Maioria dos empresários está otimista com início de 2022


Internet cara trava Porto Maravalley

Por sua vez, a TCR Telecom garante praticar preços de mercado e que o custo do serviço tende a cair com o aumento do número de usuários residentes na área. O Rio Wonder, primeiro empreendimento residencial do Porto da construtora Cury, tem previsão de entrega para o início de 2024.

Em entrevista ao DIÁRIO DO PORTO, Gustavo Guerrante, presidente da Companhia Desenvolvimento Urbano da Região Portuária (Cdurp),empresa pública responsável pela gestão da Operação Urbana do Porto Maravilha, afirmou que iria intermediar um acordo entre operadoras e TCR Telecom para baratear o custo da internet no Porto. Até o momento não houve avanço nesse sentido. A Prefeitura quer fazer da região uma espécie de Vale do Silício carioca. Há inclusive um projeto chamado Porto Maravalley, que pretende unir universidade, startups e desenvolvedores em um grande galpão próximo à Rodoviária. Mas com internet cara e inacessível fica difícil acreditar que a iniciativa saia do papel.