Amarelinho recebe placa de Patrimônio Cultural Carioca | Diário do Porto


História

Amarelinho recebe placa de Patrimônio Cultural Carioca

Centenário Amarelinho entra para o Circuito dos Botequins do Rio. Festa de reabertura vai ter samba dos bons e 60 barris de chope na faixa

20 de novembro de 2021

No dia da reabertura, Amarelinho ganha placa do Circuito Oficiial dos Botequins do Rio (Reprodução de internet)

Compartilhe essa notícia:


No dia de sua reabertura, a Prefeitura do Rio, por intermédio do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, órgão da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano, entrega hoje ao bar Amarelinho, da Cinelândia, a placa de patrimônio cultural carioca. Com isso, o centenário boteco, que reabre ao público hoje após meses fechado devido à pandemia, passa a integrar o Circuito dos Botequins, que visa identificar os locais característicos e tradicionais da boemia, afirmando o significado destes locais para a cultura da cidade.

A festa de reabertura promete. A música ficará por conta de “Moacyr Luz e o Samba do Trabalhador”, que além de Mestre Moa tem entre seus integrantes Gabriel Cavalcanti, ou Gabrielzinho da Muda para os íntimos.

Para animar ainda mais a boa fuzarca, os novos donos do ponto, a rede de bares Belmonte, estão prometendo 60 barris de chope na faixa para quem aparecer por lá para testemunhar, e beber, a volta do clássico botequim da Cinelândia.

Cem anos de Amarelinho

Para alívio do Rio, o Amarelinho vai seguir sua jornada. Colado no Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara Municipal, e ao lado de prédios históricos como o Theatro Municipal e a Biblioteca Nacional, o bar é um verdadeiro patrimônio etílico do Centro. Como testemunha privilegiada dos principais acontecimentos da cidade nos últimos 100 anos, viveu o apogeu do Rio capital e testemunhou a perda da sua influência com a migração do poder para Brasília. Agora tem a missão de ser um dos pilares da retomada do Centro tão abandonado pelo poder público e castigado pela pandemia.

Serviço

Bar Amarelinho da Cinelândia

Praça Floriano 55, Centro.

A partir das 14h


LEIA TAMBÉM:

Dia da Consciência Negra agita o Porto

Personalidades negras dão nomes a ruas na Pequena África

Ambientalistas pedem que Inea seja investigado por crime ambiental