Alerj debate Disque-Denúncia e app contra roubo de cabos | Diário do Porto


Política

Alerj debate Disque-Denúncia e app contra roubo de cabos

Ações contra roubo de cabos foram alinhadas em reunião na Alerj com representantes de empresas do setor, do governo e do Disque-Denúncia.

16 de setembro de 2021

Usuários da SuperVia sofrem com atrasos e interrupções nas viagens causadas por roubo de cabos (foto: SuperVia / Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Novas medidas para combater o furto e roubo de cabos de energia e telefonia foram temas do encontro, nesta quinta-feira, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Com a presença do presidente da Casa, André Ceciliano (PT), a reunião sugerida pelo deputado Átila Nunes (MDB) teve como objetivo reunir representantes do governo do estado, da prefeitura, das forças de segurança, empresas e concessionárias de energia e abastecimento e parlamentares a fim de debaterem soluções para a grave situação. A principal decisão foi a realização de uma campanha por meio do Disque-Denúncia para tentar coibir esse tipo de crime.

Ceciliano disse que é preciso ouvir todos os lados envolvidos no problema. “Precisamos contar com o compromisso de colaboração das pessoas que adquirem esse tipo de material. Somente assim poderemos avançar. Por isso, estamos realizando reuniões com todos os elos do segmento”, comentou.

O debate contou com a participação do secretário estadual da Casa Civil, Nicola Miccione; do secretário municipal de Ordem Pública, Brenno Carnevale Nessimian; do presidente do Metrô Rio, Guilherme Ramalho, e de representantes da Enel, SuperVia, Metrô, Light, Rio Luz, Naturgy, Conexis. Eles deram depoimentos sobre as dificuldades enfrentadas pelo setor e contribuíram com sugestões para o combate a essa situação.

Representante das operadoras de telecomunicações, Marcos Ferrari divulgou números que dão a exata noção da gravidade do problema: no ano passado foram furtados cerca de cinco milhões de metros de cabos. De acordo com ele, este ano houve um aumento de 85% das ocorrências, sendo que casos de furtos de equipamentos cresceram 114% e de cabos subiram 41%.

O diretor do Departamento de Policia Civil Especializada, delegado Felipe Curi, disse que a operação ´Caminho do Cobre´, realizada em julho passado, prendeu 40 criminosos, recuperou 200 toneladas de material e interditou 13 estabelecimentos. A operação se repetiu e culminou com a organização da Força Tarefa para enfrentamento dos crimes.


LEIA TAMBÉM:

Esburacada, Orla Conde pede socorro

Cores do Rio será primeiro residencial do Reviver Centro

Turistas do Cristo sofrem com imbróglio judicial


App contra roubo de cabos

Após a reunião, o presidente da Alerj e o deputado André Correa (DEM) se encontraram com representantes de empresas de reciclagem, das forças de segurança e com o diretor da Associação de Recicladores do Estado do Rio (ARERJ), Michel Assef.

Propostas como a implementação de um aplicativo desenvolvido pela ARERJ, que vai ajudar a encontrar produtos furtados, e maior aproximação entre os trabalhadores do seguimento, concessionárias e a segurança pública, foram apontadas como caminhos para que se possa reduzir os índices de crimes. Para Correa, é preciso haver um canal de comunicação entre os trabalhadores do setor, as concessionárias e as polícias a fim facilitar a informação.

Segundo informações de Bruno Queiroz, integrante do grupo de recicladores, hoje existem 6. 200 empresas atuando no ramo no Estado do Rio. “Esta é uma atividade que envolve 1,4 milhões de pessoas. Não podemos ficar sem trabalhar, e essa conversa foi muito produtiva”.


/