Alerj cria grupo de trabalho para melhorar a vida em Paquetá | Diário do Porto


Infraestrutura

Alerj cria grupo de trabalho para melhorar a vida em Paquetá

Audiência Pública, realizada pela Alerj, contou com moradores de Paquetá, representantes de concessionárias e da Prefeitura

20 de maio de 2022

Ilha de Paquetá: potencial turístico ameaçado por problemas (Alexandre Macieira/Riotur)

Compartilhe essa notícia:


A Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) criou um grupo de trabalho para dar continuidade aos assuntos discutidos durante a Audiência Pública realizada na Ilha de Paquetá. Entre os assuntos discutidos na reunião, estão o saneamento básico, tratamento do lixo e ausência de clínicas veterinárias e investimentos no Parque Municipal Darke de Mattos. A comissão é aberta, podendo participar moradores, representantes do Poder Público, concessionárias de serviços públicos e interessados em colaborar com a solução das questões apresentadas no encontro.

A Audiência Pública, dirigida pelo deputado Gustavo Schmidt, presidente da CDMA, contou com a presença de empresas e instituições como Águas do Rio, Comlurb e Proteção Municipal de Defesa dos Animais. ONGs  e associações ligadas ao meio ambiente também estiveram presentes. O Instituto Estadual do Ambiente (INEA), o Governo do Estado, a Petrobras e a CCR Barcas, convidados, não compareceram.

A precariedade do sistema de barcas em Paquetá, responsabilidade do governo do estado e da concessionária CCR Barcas, é um dos maiores problemas da ilha. A agente escolar Cassia Borges relata que o funcionamento deste meio de transporte, essencial para a ilha, anda precário. “Em dias quentes, há embarcações sem ar condicionado e com ventilação natural insuficiente, além de normalmente estarem cheias e atrasadas”, acrescenta Cassia.

 


LEIA TAMBÉM

Precariedade da Supervia na mira da Alerj
Ceciliano quer derrubar lei federal que prejudica o Rio
No CCBB Rio, artistas franceses reinterpretam clássicos do cinema

Saneamento em Paquetá

O superintendente da Águas do Rio, Sérgio Braga, prestou contas dos trabalhos feitos até agora e explicou o que ainda será realizado. Entre as obras previstas estão a construção de um sistema que enviará todo o esgoto para ser tratado em São Gonçalo, o que, segundo Braga, irá eliminar falhas observadas na estação de tratamento local. O superintendente também garantiu a construção de um novo reservatório para ampliar o armazenamento e abastecimento de água na ilha.

Moradores reclamam da ausência de coleta seletiva do lixo na ilha, apesar dos esforços dos moradores nesse sentido, como ressalta Cassia Borges. “Muitos locais, principalmente os mais afastados, não têm regularidade de coleta, infelizmente.” O gerente da Comlurb, Rogério Oliveira, reconheceu que o serviço não vem sendo feito em Paquetá, mas que há possibilidade de sua implementação em uma possível expansão do serviço na cidade.

O deputado Gustavo Schmidt cobrou a implementação de clínicas veterinárias na ilha e se comprometeu a buscar informações sobre os investimentos do Fundo Mata Atlântica (FMA) no Parque Municipal Darke de Mattos. Ele cobrou a presença da população. “Como o nome já diz, uma Audiência Pública é feita para que a população participe, com denúncias, demandas, ideias e opiniões. Mas todos sabemos das dificuldades para que os moradores da Ilha se desloquem até o continente”, afirmou Schmidt.


/