Alerj autoriza a volta da Geral do Maracanã | Diário do Porto


Esporte

Alerj autoriza a volta da Geral do Maracanã

Projeto dos deputados André Ceciliano e Zeidan Lula autoriza o Executivo a retirar cadeiras para resgatar a Geral do Maracanã. A decisão está com Witzel

24 de setembro de 2019

Maracanã lotado no final do campeonato de 2007 (Stylepics/Deposit Photos)

Compartilhe essa notícia:


Isso vai dar o que falar. A Assembleia Legislativa (Alerj) aprovou o projeto de lei 4.260/18, autorizando o Poder Executivo a retirar as cadeiras da parte inferior do Maracanã para recriar os setores populares, com ingressos mais baratos, a famosa “geral do Maraca”. O projeto é de autoria do presidente da Alerj, Andre Ceciliano, e da deputada Zeidan Lula, ambos do PT.

A medida já foi aprovada em discussão única nesta nesta terça-feira 24, e segue para o governador Wilson Witzel. Ele tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar. Segundo o deputado Ceciliano, algo semelhante ocorreu no Estádio do Beira Rio, do Internacional, no Rio Grande do Sul.

“O objetivo é democratizar o acesso aos jogos, com o intuito de que as pessoas mais pobres vejam jogos no Maracanã. Financeiramente está mudança também é viável, já que pode gerar mais dez mil lugares no estádio”, explicou o presidente da Alerj.


VEJA TAMBÉM:

Gigante Enel Brasil ancora no Porto Maravilha

REFIT movimentará 214% a mais de petróleo no Porto

Otavio Leite inaugura mapão do RJ na Rodoviária do Rio


 

Torcedores acompanharam a votação nas galerias do Plenário da Alerj. O economista aposentado Bernardo Sicsu, 71 anos, tinha 12 quando foi ao Maracanã pela primeira vez torcer pelo Flamengo no Campeonato Carioca de 1962. Desde então, foi várias vezes com a mulher, Marcia Bitteti, e toda a família.

“A gente adorava a Geral! Mas agora um dos nossos filhos se sente excluído porque não tem como pagar o ingresso”, disse Márcia, professora de francês aposentada que torce para o São Paulo. Bernardo comemorou a aprovação da norma. “O lazer é um direito fundamental do cidadão, ninguém quer só casa e comida! Somos adversários no jogo, não inimigos, e o que queremos é que todos tenham o direito de torcer!”, concluiu.

Se você tem uma opinião a respeito e quer manifestá-la, procure o post desta matéria na página do DIÁRIO DO PORTO no Facebook. (diariodoportorj)

 

(Reportagem feita com conteúdo da Comunicação Social da Alerj)


/