Alças da Brasil e da Linha Vermelha reduzirão engarrafamentos | Diário do Porto


Mobilidade

Alças da Brasil e da Linha Vermelha reduzirão engarrafamentos

Alças Linha Vermelha-Ponte e Avenida Brasil-Cais do Porto vão reduzir engarrafamentos na chegada ao Rio e no Porto Maravilha

22 de outubro de 2019



Compartilhe essa notícia:


O carioca gasta em média 144 minutos no trânsito, segundo o Summit Mobilidade Urbana 2019. A construção da alça que ligará a Ponte Rio-Niterói à Linha Vermelha promete, com seus 2,5 quilômetros, desafogar o congestionamento na chegada à cidade. A obra será realizada em conjunto com a da Avenida Portuária, via exclusiva para veículos de carga que seguem pela Avenida Brasil em direção ao cais do Porto.

A estimativa é que o novo acesso à Linha Vermelha pela Ponte Rio-Niterói tire da Avenida Brasil em direção ao Centro cerca de 15 mil carros por dia. “As pessoas que vierem de Niterói, da Região dos Lagos e do Norte Fluminense já vão poder encaixar direto na Linha Vermelha. E, no fim de julho, o acesso dos caminhões para a Região Portuária vai ser muito mais fácil. As obras vão facilitar muito a vida da gente” ressaltou o prefeito Marcelo Crivella ao visitar as obras esta semana.


VEJA TAMBÉM:

Roda-gigante Rio Star já é atração e anima comerciantes 

Caixa Cultural apresenta culturas indígenas em belas fotos

“Ilhas Brasileiras” em exposição no AquaRio


 

Crivella com equipe de obras na ligação entre a Linha Vermelha e a Ponte
Crivella visita obras das alças que reduzirão o trânsito no Porto

A Avenida Portuária terá mais 700 metros de extensão, de Manguinhos ao Portão 32 do Cais do Porto. O trajeto criará uma nova opção ao trânsito para 2,6 mil caminhões que diariamente circulam na região. Os investimentos para a construção da alça e da Avenida Portuária serão de cerca de R$ 450 milhões, e as obras devem ser concluídas até maio de 2020.

Os novos trechos serão incorporados à Ponte e ficarão sob responsabilidade da Ecoponte, que estenderá todos os seus serviços a eles: monitoramento por câmera, atendimentos médico e mecânico e manutenção, entre outros. É a maior intervenção já realizada na ponte em 45 anos. Devem gerar 1.300 empregos diretos.

 

 


/