Águas do Rio é a nova estrela do Porto Maravilha | Diário do Porto


Saneamento

Águas do Rio é a nova estrela do Porto Maravilha

Concessionária que começa operação em novembro alugou escritórios no Vista Guanabara e prepara mudança para Armazém no Boulevard Olímpico*

23 de outubro de 2021

Armazém 2 do Porto será escritório central da Águas do Rio (Foto: Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Chico Silva

Vencedora de dois blocos no leilão da Cedae, a Águas do Rio, empresa de saneamento básico do grupo Aegea, escolheu o Porto Maravilha como sua base de operações no Rio. E serão dois endereços na Região Portuária. A concessionária locou salas no Vista Guanabara, onde inclusive já está operando. Porém, a maior parte dos seus 700 colaboradores será instalada no Armazém 2 do Porto, bem próximo à Praça Mauá e com vista privilegiada para a Baía de Guanabara. A localização é estratégia, pois a empresa tem projeto para despoluição da Baía. A concessionária contratou um escritório de arquitetura para desenhar o projeto da nova sede. A mudança acontecerá até o segundo semestre de 2022.

Águas do Rio inicia operação em 1º de novembro

O anúncio da nova sede será feito nos próximos dias. Em primeiro de novembro a concessionária dá início a operação de tratamento e distribuição de água em 124 bairros da capital do estado nas zonas Sul, Norte e Centro, além de outros 26 municípios. São eles: Aperibé, Cachoeiras de Macacu, Cambuci, Cantagalo, Cordeiro, Casimiro de Abreu, Duas Barras, Itaboraí, Itaocara, Magé, Maricá, Miracema, Rio Bonito, Saquarema (3° Distrito), São Gonçalo, São Francisco de Itabapoana, São Sebastião do Alto, Tanguá, Belford Roxo, Duque de Caxias, Japeri, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu, Queimados, São João de Meriti.

*Erramos: Cláudio Abduche é presidente da concessionária de saneamento básico Águas do Brasil. Não da Águas do Rio, como o publicado originalmente.


LEIA TAMBÉM:

Fecomércio-RJ se posiciona contra modelo de licitação do Santos Dumont

Cortinas reabertas no Theatro Municipal

Governo gasta R$ 17 bilhões a mais com termelétricas